Horário de Atendimento : Seg. a Sex.: 7h - 12h e 13 - 18h. Sáb.: 8h - 12h
  Contato : (54) 3011-0092

Archive for outubro 2019

Women fighting breast cancer

Outubro Rosa Verità: Fases e sintomas do câncer de mama que você precisa saber – parte II

A campanha do Outubro Rosa deste ano está chegando na reta final, mas é importante lembrar que a conscientização deve durar o ano todo!

Já falamos, na primeira parte deste artigo, sobre os fatores de risco que podem levar ao desenvolvimento do câncer de mama, sobre as fases da doença e os sinais para ficar em alerta. Você pode conferir aqui.
Nesta segunda parte, abordaremos as outras formas de diagnóstico, os cuidados paliativos e os tratamentos. Fatores tão importantes para o bem-estar e a qualidade de vida da paciente. 

 

Formas de diagnóstico

Estamos sempre ressaltando a importância do diagnóstico precoce, agora vamos explicar o porquê disso. 

Você sabia que as pacientes que descobrem a doença na fase inicial, em grande parte dos casos, aumentam suas chances de tratamento e cura?
A orientação principal é que a mulher conheça seu corpo e fique atenta a qualquer alteração suspeita nas mamas, por isso, para o primeiro diagnóstico a realização do autoexame é essencial.
A detecção precoce da doença também é feita pela mamografia, para este exame a recomendação no Brasil, feita pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) em conjunto com o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) é que seja realizado anualmente em mulheres a partir dos 40 anos de idade.

Mas em mulheres que possuem mamas mais densas ou que possuem próteses de silicone, a mamografia pode não ser tão eficiente, podendo até confundir o médico especialista em alguns casos. Para essas situações é realizada a ultrassonografia, este exame acaba sendo mais eficiente na visualização de nódulos, e na diferenciação entre áreas sólidas e císticas. 

Além desses, outros exames também podem ser solicitados para um diagnóstico mais avançado e preciso, como o exame de sangue, que serve para verificar a concentração de alguns marcadores que podem ser indicativos de algum processo cancerígeno. Ele também é determinante para a escolha do tratamento certo e para saber como a paciente está respondendo à terapia.

Outro exame que pode ser realizado, especialmente quando houver alterações nos resultados da mamografia ou no ultrassom, é a ressonância magnética. Ela ajuda na confirmação do diagnóstico e na verificação de outros locais que possam estar afetados.
A biópsia é o último exame de diagnóstico utilizado para confirmar a presença do câncer de mama. Com amostras do tecido, retiradas diretamente das lesões da mama, é possível verificar se há ou não a presença de células tumorais.

Assim como acontece no Brasil, em países que participam da campanha do Outubro Rosa e também adotam essas medidas para o diagnóstico precoce, já é possível observar um impacto positivo na redução da mortalidade pelo câncer de mama.

 

Tratamento e cuidados paliativos

Muitas pessoas, quando pensam no câncer de mama, imaginam tratamentos agressivos e invasivos. Mas saiba que os tratamentos evoluíram muito nos últimos anos, e dependendo do estágio, é possível ter uma rotina normal e manter uma boa qualidade de vida.

O tratamento é feito por meio de uma ou várias modalidades combinadas, o médico é quem irá determinar o tratamento mais adequado, que pode envolver quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia, tratamento com anticorpos e em alguns casos cirurgias, como mastectomias, quadrantectomia e reconstrução mamária. Vamos desmistificar todos eles a seguir!

– Quimioterapia: este tipo de terapia têm a função de eliminar e impedir o crescimento desordenado das células cancerígenas. Ela vai variar de acordo com o estágio, com a idade da paciente e com as características hormonais de desenvolvimento da doença. A quimioterapia é realizada com a aplicação de medicamentos por via intravenosa, e em alguns casos por via oral. Esta terapia pode pode ser administrada de 4 a 6 meses para a prevenção da recidiva após a cirurgia de retirada do tumor.

– Radioterapia: a radioterapia geralmente é indicada para mulheres que realizaram a retirada cirúrgica do tumor. O tratamento utiliza a radiação ionizante aplicada diretamente no local onde se localizava o tumor com o objetivo de eliminar ou impedir a propagação das células que formaram o câncer. Existem dois tipos, a radioterapia externa e a interna.
A externa consiste na aplicação de feixes de radiação fracionados sobre a área afetada. Esse tratamento é administrado por 5 dias, durante um período de aproximadamente 5 a 6 semanas. Já a radioterapia interna ou braquiterapia, é um tipo de radioterapia, onde o agente radioativo é implantado, por meio de cateteres ou sondas, dentro ou próximo ao órgão a ser tratado e que utiliza fontes radioativas específicas. Geralmente esse tratamento é administrado duas vezes ao dia, durante 5 dias com a paciente em regime ambulatorial.

– Cirurgia: normalmente a cirurgia pode ser associada a outros tratamentos pré ou pós-operatórios, ela tem como objetivo a retirada do tumor mamário e, caso necessário, dos gânglios nos vasos linfáticos localizados nas axilas. Existem alguns tipos de cirurgias no tratamento do câncer de mama. A quadrantectomia é uma delas, ela consiste na retirada de partes da mama onde há presença de tumor, preservando boa parte dos tecidos saudáveis. A cirurgia de mastectomia é outro tipo, esta consiste na retirada total da mama. Quando há indicação para realização da mastectomia, é possível realizar uma segunda cirurgia de reconstrução mamária, que ajuda a devolver a estética da mama para a mulher. 

Além desses tratamentos, existem alguns cuidados paliativos que podem trazer melhorias na qualidade de vida da paciente.
Eles devem incluir, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a chamada “assistência promovida por uma equipe multidisciplinar”, cujo objetivo principal é a melhoria da qualidade de vida da paciente, incluindo também cuidados com seus familiares. Essa assistência vai além dos tratamentos dos sintomas físicos, ela cuida dos aspectos sociais, psicológicos e espirituais da paciente, e deve ser iniciada desde o momento do diagnóstico.

Há muitos boatos em torno do câncer de mama e eles podem gerar muita ansiedade e estresse nas mulheres, não é a toa que o tema da campanha do Outubro Rosa neste ano é “Câncer de mama: juntos, sem medo”.
É preciso desconstruir o medo através da divulgação de informações corretas sobre o diagnóstico precoce, os tratamentos e o convívio com a doença. E nós, da Verità, estamos aqui para cuidar e orientar você com todo carinho!
Conte com o nosso apoio e acolhimento em nosso Centro da Mulher Dr. Aliomar Andrade para diagnósticos precisos.

Mais Informações
high-angle-people-expressing-solidarity-breast-cancer_23-2148283633

Outubro Rosa Verità: Fases e sintomas do câncer de mama que você precisa saber

O mês de outubro traz um alerta importante para a saúde das mulheres sobre o câncer de mama e a Verità, como apoiadora desta causa, não poderia ficar de fora.

É verdade que tivemos progresso desde a primeira ação do Outubro Rosa no Brasil, em 2002, mas esse tipo de câncer ainda é o segundo mais comum entre as mulheres, respondendo por cerca de 28% dos novos casos e, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer, é a que mais causa mortes de mulheres no país. E por ainda não existir uma causa específica, a conscientização sobre o câncer de mama é muito importante!

Por isso, queremos conversar com você neste artigo, para falarmos tudo o que você precisa saber sobre os fatores de risco que podem levar ao desenvolvimento deste tipo de câncer, sobre as fases da doença e os sinais para você ficar em alerta. Confira!

 

Fatores de riscos

Mesmo acometendo também os homens, você sabe por que o câncer de mama está associado à saúde das mulheres? A sua incidência maior ocorre nesta população, enquanto que para os homens representa menos de 1% do total de casos. Isso porque mulheres acima dos 50 anos têm maior risco de desenvolvimento, que somado a outros fatores como o histórico familiar (cerca de 5 a 10% dos casos da tem como causa os fatores hereditários), ao ciclo menstrual (mulheres que tiveram puberdade precoce, antes dos 12 anos) ou que entraram na menopausa mais tarde (após os 55 anos), têm aumento no risco desse tipo de câncer devido a exposição mais longa aos hormônios femininos.

O estilo de vida também deve ser levado em consideração, excesso de peso, a não prática de atividades físicas, o consumo de bebidas alcoólicas em excesso e fumar, também colaboram com os fatores de risco. Aliás, ter hábitos saudáveis traz diversos benefícios para a nossa vida, não é mesmo?!

E essa dica agora é para as mamães e para as futuras mamães: você sabia que a amamentação é considerada um fator protetor? Isso mesmo, além de todos os benefícios que já conhecemos, ela ajuda a prevenir a doença, pois quando o bebê suga o leite, o movimento promove uma espécie de esfoliação do tecido mamário. Deste modo, se tiverem células cancerígenas, elas serão eliminadas e renovadas. Outro benefício é que as taxas de determinados hormônios que favorecem o desenvolvimento desse tipo de câncer caem durante o período de aleitamento. Assim, quanto mais prolongada for a amamentação, maior a proteção para a mãe e para o bebê. 

É importante lembrar que ter um fator de risco, não significa que você vai ter a doença, pois é difícil saber o quanto desse fator pode ter contribuído para o seu desenvolvimento. Fazer o acompanhamento periódico da sua saúde ainda é a melhor forma de diagnóstico, de cuidado e de carinho com você mesma.

 

Fases e estágios

Conhecer todas as fases é determinante para a realização do tratamento correto. Identificar os estágios do câncer de mama ajuda a classificar a doença de acordo com sua extensão ou gravidade, e auxilia o médico na escolha do melhor tratamento. 

Essa classificação baseia-se nas características do chamado tumor primário (que atinge somente as mamas), nas características dos gânglios linfáticos da mama (se o câncer invadiu os vasinhos próximos), e na presença ou ausência de metástase à distância (que é quando forma-se tumores). Desta forma, podemos classificar em estágios que vão do 0 ao 4:

  • Estágios 0, 1 e 2: são os estágios iniciais, nos quais o tumor está limitado à mama. Nestes estágios as chances de cura são grandes, desde que o diagnóstico ocorra cedo e que a paciente responda bem ao tratamento.
  • Estágio 3: neste estágio ele é chamado de “câncer de mama localmente avançado”, o que significa que o câncer pode ter se espalhado para os nódulos linfáticos e para outros tecidos da mama, mas não para outros locais do corpo.
  • Estágio 4: neste estágio é que acontece o “câncer de mama metastático” ou “avançado”. Nesta fase, há uma disseminação da doença para outros locais do corpo.

Em todos esses casos, quando detectado precocemente, as chances de sucesso no tratamento são maiores. E por esta razão, vale ressaltar a importância das consultas de rotina, do autoexame mensal e do exame de mamografia a cada dois anos.

 

Cuidados com você mesma

Os sintomas costumam surgir tardiamente, por isso, alguns sinais precisam de um cuidado maior.

O mais comum é o aparecimento de um caroço na mama, mas existem outros indícios  que são desconhecidos por muitas mulheres, como a irritação e o aparecimento de irregularidades na pele, com covinhas ou franzidos, que fazem a pele se assemelhar à casca de uma laranja.

Outros sinais que podem surgir são a dor no mamilo ou inversão do mamilo (quando fica mais para dentro), vermelhidão ou descamação da pele da mama. Também existe a presença de caroço palpável nas axilas e o surgimento de secreção geralmente transparente, podendo ainda ser rosada ou avermelhada, devido à presença de glóbulos vermelhos mais concentrada na região.

É preciso estar sempre atenta ao seu corpo e o seu desenvolvimento. Ao surgimento do primeiro sinal, procure orientação médica, um diagnóstico precoce pode salvar sua vida e a vida de quem você ama.

No próximo artigo falaremos mais sobre outras formas de diagnóstico, sobre os cuidados paliativos, e o tratamento que sempre visa o bem-estar e a qualidade de vida da paciente, incluindo seu estado de saúde físico e emocional. Continue nos acompanhando!

E para qualquer diagnóstico, você pode contar com o acolhimento da Verità! Estamos preparados para atender você com todo o cuidado que merece em nosso Centro da Mulher Dr. Aliomar Andrade.

 

Mais Informações
1
Olá, podemos ajudar? Fale conosco por WhatsApp agora
Powered by